Portões de Fogo e os 300 de Esparta

Estou lendo pela segunda vez o livro Portões de Fogo, este livro narra a batalha das Termópilas onde 300 Espartanos e mais 10 mil aliados da Hélade se enfrentam com milhões de Persas.

O livro narra a história de alguns personagens como Polinikes (muitas vitórias), Dienekes, Alexandros, Leonidas e alguns outros heróis e seus escudeiros que cabaram sendo também heróis no final da batalha.

Eu vou ressaltar alguns pontos importantes que diferenciavam os espartanos dos demais:

  • O Estudo do Medo – Para os Espartanos era muito importante entender e dominar o medo, pois apesar de ser um mecanismo útil para nossa segurança, o medo também acaba por travar nosso aprendizado e nossas experiências e quando levado ao extremo nos tira a razão. Os Espartanos tinham diversas tecnicas para empurrar o medo ao limite e ainda assim manter-se consciente e calmo.
  • A União – Tanto na batalha quanto na convivência eles tinham o sentido de colméia, onde todos trabalhavam por todos excluindo o egoísmo de qualquer gênero, na batalha o guerreiro sabia que poderia confiar no seu companheiro a direita pois ele mesmo dava sua vida para proteger seu companheiro a esquerda, e era exatamente esta unidade que tornava a falange Espartana impenetrável.
  • A Disciplina – Outro fator que era decisivo para os Espartanos era a disciplina de treinos, eles treinavam até a exaustão literalmente, com diversos exercícios que só terminavam quando o guerreiro ja não podia mais se manter em pé. Para os povos vizinhos isso era considerado excessívo, porém quando a batalha começava era justamente este treinamento que garantia a serenidade e o controle em meio a mais sangrenta batalha.
  • A Hierarquia – Em Esparta, os mais sábios, mais valorosos, os que foram forjados no fogo da disciplina e da batalha eram quem comandavam, e também quem assumia a responsabilidade quando algo dava errado. Esses líderes eram amados pelos demais, pois eram uma referência de valor e virtude.

O que estou querendo dizer com tudo isso é que hoje mais do que nunca estamos carentes de valores, de virtudes, de união, de disciplina.

Há uma propaganda muito sutil nos falando sobre o conforto, as férias, o descanço, o individualismo, e democracia, mas onde isto está nos levando?

Não experimentamos mais glória, extase, amor verdadeiro, abnegação, não nos arriscamos mais, uma cicatriz em nosso corpo é visto como uma elemento feio e não como uma lembrança de guerra e de vitória.

A ciência tem ensinado que tudo que citei acima não são mais do que reações químicas e talvez por isso, os jovens não buscam mais alcançar esses sentimentos e idéias elevadas com a superação, em vez disso buscam formas muito inferiores do que isso nas drogas. E tudo tem se tornado artificial.

Vamos adiante guerreiros, é preciso reforçar a linha onde ela está quase quebrando, vamos manter nossos olhos bem abertos e reforçar a linha onde ela está fraca. Tem muita gente que acha que não existe mais beleza, bondade e justiça no mundo.

Você que leu este artigo e o entendeu com o mais fundo de sua alma tem o dever de ensinar e mostrar que o espírito ainda está vivo, que a chama ainda está acesa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *